auá logo

são paulo sp

44 33543285 | 44 997253285 | 11 951958472

 

M

Cobertura do vão central do Mercado Público de Florianópolis

Florianópolis | SC
2014 [ concurso de projetos ]

A nova cobertura do Mercado Público de Florianópolis é mais que o acréscimo de um acessório meramente funcional. Independentemente da qualidade de seu design, do seu apuro tecnológico e construtivo e de algum sempre relativo valor estético, a nova cobertura precisa ser mais que apenas um objeto. Mais ainda quando se insere dentro de um edifício histórico, a nova cobertura precisa ser arquitetura, uma intervenção que entende o antigo, o respeita e o valoriza.

A necessidade de cobrir o vão central do mercado existe porque as pessoas tomaram esse espaço para si. A rua central antes usada para abastecimento de mercadorias, depois feita rua de pedestres passou a ser local de encontro e permanência, tornando-se como uma praça dentro de um edifício histórico. Um pátio cultural vivo, onde as pessoas permitem-se conviver umas com as outras e com a memória da cidade.

Os mercados públicos são os museus do presente. A cobertura proposta é mais que meramente uma nova peça no acervo desse museu.

Trata-se de uma ação que cria um novo espaço público em diálogo com o existente. A cobertura é composta de uma estrutura elevada a 10 metros de altura. Um aro retangular metálico que reproduz o desenho do perímetro do vão central do mercado. Apoiada sobre poucos pilares também metálicos a cobertura parece flutuar, sem tocar o edifício tombado em nenhum momento. No alto, esse aro contém uma passarela ‒ a necessidade de acesso para manutenção dá a chance de se criar um mirante aberto ao público, de onde se vê o mercado e ao fundo o mar que já esteve tão perto.

Um sistema de lonas retráteis garante abrigo contra a chuva e o sol. Consegue isso de maneira elegante. As lonas que cobrem o “pátio” estão instaladas em alturas diferentes, sobrepostas e desencontradas entre si. Mesmo quando totalmente fechada é possível ver o céu por entre as faixas que cruzam a cobertura transversalmente. Filtram gentilmente a luz do sol. O vento passa livremente por entre esses “panos” como nas velas das embarcações que traziam o pescado ao mercado.

A imagem que agora se tem na rua central do mercado lembra as barraquinhas das ruas onde há feiras por todo o país, e os tradicionais mercados de rua que existem no mundo inteiro, com suas coberturas de múltiplos tecidos, cotidianamente transformando espaço de passagem em lugar. Quando as lonas da cobertura estão recolhidas praticamente toda a rua se expõe. Resta apenas um gesto leve e preciso suspenso sobre o mercado. Cabos finos riscando um céu emoldurado.

A cobertura está apoiada em apenas 6 pontos no térreo e a posição dos pilares possui uma relação com os acessos e fl uxos do mercado. As duas pontes possuem um eixo estrutural com 4 pilares que divide a rua central em duas onde acontecem aos acessos principais ao mercado, junto ao Largo da Alfândega e à Rua Jerônimo Coelho. Os principais apoios da cobertura estão alinhados com esse eixo, um de cada lado, quase como o que seria um quinto pilar da ponte. Nos braços mais longos da estrutura da cobertura, sobre as alas norte e sul do mercado respectivamente, dois pilares distantes 5 metros pousam no chão alinhados com as portas da circulação interna das alas do mercado. Ao passar de uma ala para outra o público do mercado passa por entre esses dois pilares.
Desta forma, a implantação da cobertura do mercado mantém uma relação com o contexto urbano do entorno, assim como a própria rua central é a continuidade espacial do largo e do calçadão.

A cobertura está suspensa entre as pontes do mercado e sobre os telhados das alas norte e sul. Compõe-se de uma estrutura perimetral permanente que é ao mesmo tempo espaço para manutenção e mirante para visitação, conformando uma borda retangular.

Em seu interior se estendem transversalmente lonas retráteis sobrepostas e alternadas que cobrem a rua central. A estrutura fixa possui uma área de 400 m², dos quais 165m² estão sobre os telhados laterais, e 235m² cobrem a área do vão central, mesmo quando a cobertura encontra-se com sua abertura máxima. Quando o sistema de lonas retráteis está totalmente fechado a cobertura protege 865m² de um total de 900m² do vão. A cobertura está solta do prédio antigo na projeção dos acessos ao mercado, afastada 1 metro de cada ponte.

A passarela está localizada 10 metros acima da cota térrea. Possui 268m² úteis. O acesso se dá através de uma plataforma elevatória, que está instalada no lado mais largo da passarela, com 5 metros de largura entre eixos. A relação espacial entre a passarela e a rua central é uma analogia. O desenho retangular da passarela reproduz acima o espaço de “pátio” que a rua do mercado possui delimitado entre as alas e as pontes. Na passarela, no entanto, esse pátio ora é um vazio e ora é preenchido pelas lonas.

A estrutura da cobertura obedece, de maneira geral, uma modulação de 2 metros. Como o prédio histórico não é regular, ocorrem exceções dentro dassa modulação, de modo que a cobertura também não é simétrica: possui um eixo de 2,5 metros na extremidade próxima à rua Jerônimo Coelho; em seguida um “braço” com 24 metros de comprimento (12 módulos de 2 metros); no meio do vão central a cobertura está apoiada em dois pares de pilares distantes entre si 5 metros, alinhados com as portas das ruas internas do mercado; depois o segundo “braço” com 22 metros (11 módulos de 2 metros); na extremidade junto ao Largo da Alfândega a cobertura tem 5 metros de estrutura fi xa, no ponto onde se localiza a plataforma elevatória que dá acesso à passarela.

As lonas possuem 1,75 metros de largura; estão instaladas em três altura diferentes, com 25 centímetros de diferença entre cada altura. As faixas de lona se sobrepõem 25 centímetros de cada lado umas sobre as outras de modo a aumentar a proteção que a cobertura oferece contra a chuva e o sol. Com uma inclinação de 5%. a água que é recolhida pelas lonas passa por um sistema de calhas dentro da estrutura da passarela e é levada até os pilares onde existem os dutos condutores de águas pluviais.


Colaboradores:
Rafael Campos - Arquiteto
Guilherme Serra - Engenheiro Civil


Link para download das pranchas:
https://drive.google.com/file/d/0B8gUSTusfVlZY2lUX2FGWjMzMmM/edit?usp=sharing

Planta térreo

Planta de cobertura (aberta)

Planta de cobertura